DUAS RAINHAS: Bilheteria do filme é destaque no circuito independente americano

9 de dezembro de 2018 Diego Domingos
Duas Rainhas - Margot Robbie - Saoirse Ronan

Duas Rainhas – Margot Robbie – Saoirse Ronan

Wooooooooooooow, Cinemaster. Duas Rainhas também estreou bem no circuito independente americano. A produção, que deveria ter uma estreia ainda mais firme, já que contava com as indicações de Margot Robbie e Saoirse Ronan ao Globo de Ouro 2019, faturou US$ 200 mil em quatro cinemas americanos, dois em Los Angeles e dois em Nova York, uma quantia de US$ 50 mil por sala de cinema, a 11ª maior renda por cinema do ano.

A Favorita Cinemaster, que liderou entre os filmes independentes por duas semanas, expandiu para mais cinemas ao longo desse fim de semana, mais precisamente para 91 cinemas e uma renda por sala de US$ 15.7 mil. A bilheteria do mega elogiado filme de Yorgos Lanthimus chegou a US$ 1.4 milhão.

Vox Lux, com Natalie Portman, e Ben Is Black, com Lucas Hedges e Julia Roberts Cinemaster também tiveram boas estreias.

O thriller musical com Portman faturou no fim de semana de estreia cerca de US$ 162.2 mil, uma renda de US$ 27 mil por sala. Enquanto Ben is Back estreou com US$ 81 mil em quatro cinemas e uma renda por sala de US$ 20.2 mil.

Na trama, Maria da Escócia – vivida por Saoirse Ronan – tentará tirar sua prima, Elizabeth I – Margot Robbie -, do poder. Só sei que eu já sigo mais do que ansioso pelo longa, Cinemaster. =D Josie Rourke é quem tá cuidando da direção e Beau Willimon – do sensacional Tudo Pelo Poder e de House of Cards – é quem assina o roteiro. =D

Duas Rainhas explora a vida turbulenta da carismática Mary Stuart (Saoirse Ronan). Rainha da França aos 16 anos e viúva aos 18 anos, Mary desafia a pressão para se casar novamente. Em vez disso, ela retorna para a Escócia, sua terra natal, para recuperar seu trono legítimo. Mas a Escócia e a Inglaterra estão sob o domínio da poderosa Elizabeth I (Margot Robbie). Cada jovem rainha enxerga sua “irmã” com medo e fascinação. Rivais no poder e no amor, e mulheres importantes em um mundo masculino, as duas devem decidir como jogar o jogo do casamento contra a independência. Determinada a governar muito mais do que ser uma figurante, Mary afirma sua reivindicação ao trono inglês, ameaçando a soberania de Elizabeth. Traição, rebelião e conspirações dentro de cada reinado colocam em perigo os dois tronos – e mudam o curso da história.