GUARDIÕES DA GALÁXIA: James Gunn fala sobre demissão, Esquadrão Suicida e retorno

15 de maio de 2019 Diego Domingos
James Gunn - Da demissão a duas grandes franquias

James Gunn

Woooooooooow, Cinemaster. Literalmente está para nascer indústria que seja mais mutável que a do cinema. No caso de James Gunn, ele era um dos diretores mais prestigiados da atual cultura pop por conta de Guardiões da Galáxia, foi demitido e viu sua carreira ameaça, entrou em Esquadrão Suicida, e voltou triunfante para a Marvel Stufios. De quebra, tornou-se nada menos que o primeiro diretor na história do cinema a trabalhar simultaneamente em adaptações das duas maiores marcas de quadrinhos, Marvel e DC.

Pela primeira vez Cinemaster, desde aquele julho de 2018, na sexta-feira da San Diego Comic-Con para ser mais específico, James Gunn falou ao Deadline sobre como foi estar no meio de uma reviravolta que dificilmente os melhores roteiristas da atualidade conseguiriam imaginar.

Quando o convite da Walt Disney para voltar foi realizado

Nota: James Gunn foi confirmado para dirigir e escrever Esquadrão Suicida em janeiro deste ano, mas as conversas com a DC já estavam acontecendo desde setembro. Gunn fechou contrato com a DC em outubro, e em outubro a Disney o procurou para voltar.

“Eu já tinha fechado com Esquadrão Suicida da DC e eu estava animado sobre isso. Alan Horn me pediu para vir falar com ele. Eu realmente acredito que ele é um bom homem e acredito que ele me contratou de volta porque achava que era a coisa certa a fazer. Eu o conheço um pouco, desde os filmes de Scooby-Doo. Eu sempre gostei e admirei ele. Eu fui tocado por sua compaixão.”

“Você ouve em Hollywood que todo mundo é cruel. Isso é verdade para uma parte dessa indústria, mas também há muitas pessoas realmente boas. Eu fiquei com os olhos cheio de lágrimas quando ele me fez o convite. E então eu tive que ir dizer a Kevin Feige que eu já tinha acabado de fechar contrato com Esquadrão Suicida, e isso me deixou nervoso.”

Gunn pensou que não voltaria mais para Guardiões da Galáxia Vol. 3

“Eu estava escrevendo Esquadrão Suicida e pensei em Guardiões 3 como sendo algo realmente muito longe. Houve uma possibilidade de retorno no começo, mas as conversas iniciais não foram legais. Mas eu não queria olhar para trás e me sentir amargurado, chateado ou com raiva. É claro que todo tipo de emoção está ligado a isso. E minha cabeça estava tentando se desconectar de tudo isso, mesmo na primeira reunião que tivemos uma semana ou duas semanas depois do que aconteceu.”

“A Disney tinha o direito de me demitir”

“Eu sei que pessoas se sentiram magoadas pelo que eu escrevi. Eu me sinto mal por isso e assumo toda a responsabilidade. A Disney tinha o direito de me demitir. Eu disse algo que eles não gostaram e eles tinham o direito de me demitir, eu nunca foi contra isso.”

“Parecia que minha carreira tinha terminado”

“Naquele primeiro dia… eu vou dizer que foi o dia mais intenso de toda a minha vida. Houve outros dias difíceis em minha vida, desde quando eu fiquei sóbrio quando jovem, até a morte de amigos que cometeram suicídio. Mas isso foi incrivelmente intenso. Aconteceu e, de repente, parecia que tudo havia acabado. Eu soube, em um momento que aconteceu incrivelmente rápido, eu fui demitido. Parecia que minha carreira tinha terminado ali.”

Amor verdadeiro da equipe

“E então veio todo esse amor verdadeiro. Da minha namorada Jen, meu produtor, meus empresários, Chris Pratt me ligando no dia, Zoe Saldana, Karen Gillan, elas me ligaram, choramos ao telefone. Sylvester Stallone fez uma facetime comigo, e Dave Bautista que ficou comigo todo esse tempo, outros amigos meus também, minha família. Então, uma parte daquele dia foi o pior dia da minha vida, e uma parte disso foi o maior dia da minha vida. Eu certamente não tenho sido perfeito em minha jornada, mas tenho melhorado. Nas primeiras semanas após a demissão eu fiquei completamente fora de tudo. Eu me desconectei completamente de tudo. Foi difícil e eu estava realmente vivendo um minuto de cada vez, mas também foi gratificante poder ver a vida de uma perspectiva diferente.”

“Talvez eu tenha um futuro”

“Tecnicamente, meus medos foram dissipados imediatamente. Jason Blum estava fazendo um painel na San Diego Comic-Con quando a demissão veio e ele disse: ‘Eu contrataria James Gunn agora.’ Ao mesmo tempo, eu não sabia no que acreditar. Os estúdios, na maior parte, eles disseram: ‘Amaríamos ter você conosco’. Eles me telefonaram nos primeiros dois dias. Mas eu não acreditei. Então eu pensei, ‘Talvez eu ainda tenha um futuro’. Sou uma pessoa bastante orientada pela lógica e isso ajudou, mas emocionalmente, não havia muito o que manter por lá. Isso foi bom para mim também, porque o que eu precisava fazer era parar de fazer a minha carreira ser o que me faz valer a pena e começar a me fazer ficar bem comigo. É nisso que eu me concentrei. Eu me concentrei na diversão. E Esquadrão Suicida começou a fluir. Eu não me divertia escrevendo um roteiro desde Madrugada dos Mortos.”

A conclusão da história de Rocket em Guardiões 3

“Quando você me perguntou o que era mais triste para mim quando eu pensei que tinha ido embora, e qualquer um na Marvel pode dizer isso a você – é esse relacionamento muito estranho ligado a Rocket. Eu sou Rocket, ele realmente é, mesmo que pareça narcisista. Groot é como meu cachorro. Eu amo Groot de uma maneira completamente diferente. Eu me identifico com Groot e sinto compaixão por Rocket, mas a história dele não tinha sido concluída. Ele tem um arco que começou no primeiro filme, continuou no segundo, passou por Guerra Infinita e Ultimato, e então eu estava preparado para realmente terminar esse arco em Guardiões da Galáxia Vol. 3. Isso foi uma grande perda para mim – não ser capaz de terminar essa história – embora eu tivesse confortado pelo fato de que eles ainda estavam planejando usar meu roteiro.”

“Aprender com os erros”

“Há muita coisa realmente positiva que eu tiro de tudo isso, e um desses pontos positivos é que eu fui capaz de aprender. As pessoas precisam aprender com os erros. Se tirarmos a possibilidade de alguém aprender e se tornar uma pessoa melhor, não tenho certeza do que nos resta. Eu aprendi todos os tipos de coisas sobre mim através desse processo.”

Cinemaster, para ser sincero com você, ainda estou digerindo toda essa entrevista. A sinceridade de alguém que viu sua carreira, construída com suor e muita, muita criatividade, praticamente perdida em questão de horas é realmente chocante e tocante. James Gunn realmente é uma pessoa completamente diferente depois de toda essa reviravolta entre julho de 2018 e março de 2019. 

ASGARDIANOS DA GALÁXIA: Thor vai ajudar a trazer Gamora de volta, mas como?

Guardiões da Galáxia Cinemaster estreou nos cinemas em 2014. Reunindo um espetacular grupo de personagens estranhos Cinemaster, o filme ficou simplesmente espetacular, sendo té Pantera Negra o filme mais original que a Marvel Studios tinha produzido.

A produção reuniu: Chris Pratt, Zoe Saldana, Dave Bautista, Vin Diesel e Bradley Cooper, respectivamente, como: Peter Quill/Senhor das Estrelas, Gamora, Drax, Groot e Rocket, e faturou US$ US$ 773.3 milhões no mundo todo. Em 2017 Cinemaster, James Gunn trouxe o ainda mais emocionante Guardiões da Galáxia Vol. 2, que arrecadou US$ 863.7 milhões mundialmente.

E desde 2017 Cinemaster James Gunn vinha desenvolvendo o roteiro de Guardiões da Galáxia Vol. 3. O elenco inclusive chegou a confirmar diversas vezes que as filmagens seriam iniciadas entre janeiro e fevereiro de 2019. No entanto Cinemaster, em julho de 2018, os tweets de James Gunn – escritos entre 2008 e 2009 – com apologias a estupro e pedofilia, foram descobertos e na sexta-feira da San Diego Comic-Con de 2018 James Gunn foi demitido pela Disney e pela Marvel, em uma decisão em conjuntos por seus presidentes, Alan Horn e Kevin Feige.

Em agosto Cinemaster, a Marvel/Disney e James Gunn chegaram a realizar uma reunião. O advogado e o assessor de Gunn queriam que a Disney desse a James uma segunda chance, mas a reunião no fim das contas Cinemaster funcionou com uma reunião de demissão oficial de James Gunn, encerrando sua parceria com a Marvel Studios iniciada em 2013, com sua contratação.

Mas em 15 de março de 2019, a Disney e a Marvel Studios confirmaram a recontratação de James Gunn.