VINGADORES – ULTIMATO: Diretores e roteiristas detalham mais de 20 spoilers

9 de junho de 2019 Diego Domingos
Vingadores - Ultimato

Vingadores – Ultimato

Woooooooooooow, Cinemaster. Anthony Russo, Joe Russo, Christopher Markus e Stephen McFeely comentaram sobre vários detalhes em Vingadores – Ultimato. Mas no mais recente episódio do Podcast da Empire Magazine, o quarteto trouxe ainda mais detalhes sobre Ultimato e também sobre Guerra Infinita.

Então Cinemaster, vamos nessa!

Homem-Formiga morreria na bunda de Thanos

Markus: “Thanos deu uma surra no Hulk, nós vimos isso. E é lógico que todo o corpo dele é tão forte quanto isso. Se o Homem-Formiga se expandisse, ele seria simplesmente esmagado contra as paredes imóveis do poderoso ânus de Thanos.”

P.S. Impactante a ideia não é, Cinemaster?! Pois é! Tentando apenas não imaginar isso.

O estalar de dedos não foi um “Cliffhanger”

Nota: Cliffhanger Cinemaster é uma reviravolta na história maior que um ponto de virada e geralmente vem em seu final.

McFeely: “Os heróis perderam muito ao longo do segundo ato, e geralmente isso dura cinco minutos e depois eles voltariam como antes. Nós não queríamos fazer isso. Parecia uma fraude para nós. Algumas pessoas acham que todo o primeiro filme na verdade era apenas uma preparação para Ultimato, mas eu vou levar para o meu túmulo a ideia de que era uma tragédia, os heróis experimentam mais sobre o que seria uma tragédia. Um cliffhanger implica que você vai resolver algo rapidamente, e nós não queríamos fazer isso, e nem fizemos isso.”

P.S. De fato Cinemaster! Todo mundo que foi dizimado em Guerra Infinita voltou depois de cinco anos e três horas de filme, ou seja, é realmente muito tempo.

O estalar de dedos não é culpa só de Peter Quill

Markus: “Se você está na frente do pai da sua namorada e descobre que ele acabou de matar sua namorada, você vai bater na cara dele. Eu só acredito que é totalmente compreensível e emocionante quando você conecta essa cena ao momento que Peter deveria matá-la. E no final do dia Peter Quill é apenas um dos personagens que os fizeram perder. Tudo o que você tinha que fazer era acertar a cabeça, e Thor não fez isso de primeira. A culpa também é dele. Tony e Steve, eles se deram bem por um longo tempo e não estavam juntos quanto o mundo mais precisou, então, também há culpa por aí.”

A cena de abertura era dramática o suficiente

Joe Russo: “Eu tenho quatro filhos, e é uma cena muito trágica para abrir um filme. É uma das poucas cenas do filme que realmente me fez chorar quando eu assisti, porque eu penso na minha própria família. E então você pensa sobre o que aconteceria com você, como pai. Você se tornaria muito autodestrutivo.”

Vale salientar Cinemaster que esta cena de abertura de Ultimato viria no final de Guerra Infinita, logo após Bucky ser dizimado. Mas os Russo preferiram deixar para Ultimato por ser uma forma chocante de conectar o tom do segundo filme com todo o primeiro filme.

Robert Downey Jr. improvisou o “mentiroso”

Quando os Vingadores estão conversando depois de Tony ter sido salvo pela Capitã Marvel, a conversa chega a um ponto em que Tony chama Steve Rogers mentiroso. Pois bem, esse “mentiroso” Cinemaster foi improvisado por Robert Downey Jr. “Acredito que esse tenha sido um dos momentos mais inspiradores de Downey no filme. Ele reverteu todo o tempo que passou lá em cima nesse momento, afinal, esse é o cara que se sentiu abandonado por seu pai, você ver seus problemas de intimidade e confiança no momento que ele discute com o Capitão. Downey realizou a cena com muita energia. Nós não fizemos esse momento muitas vezes, porque ele estava realmente se dando muito a esse momento. Foi incrível.”

Passagem de tempo inspirada em “O que aconteceria se…”

Eu e você sabemos bem Cinemaster que a Marvel Studios está desenvolvendo para o Disney Plus uma série animada inspirada nos quadrinhos “O que aconteceria se…” e durante o podcast os roteiristas revelaram que a passagem de cinco anos foi inspirada nessas HQs.

McFeely: “Ao pular cinco anos, você começa a se perguntar ‘E se Tony se casasse e vivesse feliz para sempre?’, ‘E se Hulk se tornasse basicamente o Hulk Inteligente dos quadrinhos?’, ‘E se Natasha se tornasse a mulher que tivesse que fazer uma das escolhas mais difíceis de sua vida?’, ‘E se Thor se tornasse um bêbado gordo?’, a HQ serviu para viéssemos a ter essas ideias, mas diferente dos quadrinhos, nós só não tínhamos ainda as respostas.”

O visual do “Cinco Anos Depois”

Joe Russo: “Em ‘Cinco Anos Depois’, você notará que tudo fica mais azul, são tons mais frios. Queríamos um humor mais depressivo. A intenção era deixar os personagens e o público sentirem os efeitos de Guerra Infinita e, lentamente, fazer a transição para um tom diferente – você notará que o filme começa a ficar engraçado quando o Hulk está no restaurante, onde o tom está se tornando uma esperança novamente.”

Bruce Banner é o “Uma Nova Esperança”

Anthony: “Em termos de como os Vingadores estavam respondendo ao que aconteceu com Thanos no começo do filme, Banner é o único personagem que está realmente tentando desenvolver um futuro brilhante, tentando construir algo totalmente novo, ele quer encontrar algo totalmente novo. Natasha está tentando se manter, algumas pessoas estão desmoronando, mas Banner é o que existe de mais heroico no sentido de que ele mantém sua vontade de continuar tentando.”

Tony Stark quase esteve em Asgard

McFeely: “Tecnicamente em Thor – O Mundo Sombrio, o Cubo Cósmico está no cofre, pois o Éter também está lá. Então, nós mandaríamos Tony para Asgard, e ele tinha um traje furtivo invisível, e ele lutaria com Hemdall, que poderia, claro, vê-lo. Eu acredito que Joe Russo entrou na conversa e disse, ‘Por que não vamos para o primeiro filme dos Vingadores? É o maior filme, é o mais divertido até agora, vamos para lá.'”

Thor não precisava se encontrar com Odin

Markus: “O MCU não precisava de mais problemas com Odin. E não ter um encontro dele com Jane Goster não era exatamente o que ele precisava para seguir sua jornada. Ele tinha um tempo com Jane Foster em um dos rascunhos. Mas isso não parecia ser o problema dele. Ele é reduzido a um estado de espírito quase que infantil na Nova Asgard, na Noruega, então, ele realmente precisava dos conselhos da sua mãe. Ele precisava de alguém que dissesse a ele, ‘Você precisa ficar bem. Você está horrível agora, mas você precisa ficar bem.'”

A estátua de um santo em Asgard

A cena na Asgard de Thor – O Mundo Sombrio Cinemaster foi gravada na Catedral de Durham. E o quarto de Frigga, a mãe de Thor mais precisamente, era em uma das salas da catedral. Com isso, a equipe deixou como parte do set uma estátua do Santo Bede, do Reino Unido. Markus: “O quarto de Frigga é em uma dessas salas e há um santo de verdade nessa cena. Nós respeitamos todos os lugares que passamos por lá.”

A visita de Stan Lee ao set de Ultimato

Anthony: “Nós nos divertimos muito com essa participação especial porque estávamos voltando ao passado. Começamos a ver fotos antigas de Stan e nossa equipe de efeitos visuais estava acostumada a rejuvenescer personagens. Então nós nos baseamos nas fotos de Stan dos anos 70. Foi muito divertido. E quando ele veio gravar no set foi nostálgico. Muitas das pessoas que fazem esses filmes também são fanáticas por quadrinhos e todo mundo meio que já se acostumou a ver estrelas de cinema, mas quando Stan Lee entrou no set, todos nós parecíamos ter 10 anos de novo. Foi uma energia completamente diferente no set.”

A morte da Viúva Negra foi decidida pelas mulheres da equipe

McFeely: “Tivemos muitas conversas sobre essa cena. Tivemos uma versão em que o Gavião Arqueiro morreria. Eu me lembro especificamente que nossa supervisora de efeitos visuais Jen Underdahl estava lendo o roteiro e disse, ‘Não faça disso. Honre sua escola.’ E levamos isso muito a sério. Muitas das mulheres da equipe estavam apaixonadas pela ideia de dar a ela o grande momento de heroína – e nós não tiramos isso dela. E Natasha é fascinante porque ela costumava ser uma vilã.”

“Não é algo que você já tenha visto antes, mas ela tinha uma vida e essa vida era errada. A personagem teve sua identidade roubada e foi transformada em uma assassina, então encontrou uma nova família através de cada membro dos Vingadores. Parecia uma escolha incrivelmente heroica para ela, na ideia de que ela se sacrificou para preservar o futuro da sua família. E nós vimos em Vingadores que ela luta muito melhor que Clint. Então, se isso vai acabar sendo uma briga por quem está passando por esse penhasco, ela vai ganhar. E ela ganhou.”

Ultimato era sobre os Vingadores Originais

“Em Guerra Infinita Thanos era o personagem principal, por isso ele tinha mais tempo de tela. Mas Ultimato é definitivamente um filme dos Vingadores, onde o outro filme não era. Tivemos que nos dar permissão para recuar um pouco o vilão. Eu não acredito que na primeira metade do filme alguém diga, ‘Poxa, eu gostaria que houvesse um vilão.’ Você coloca esses personagens no roubo das Joias do Infinito, é como se eles estivessem lutando contra a própria natureza.”

O Thanos de 2012 é o “Thanos Guerreiro”

Anthony Russo: “Nós nos referimos a ele como Thanos Guerreiro. A versão do personagem antes de ele colocar sua armadura e decidir ir atrás das Joias do Infinito. Ele está mais irritado – pode ser uma falha no filme, inclusive, mas ali ele é um pouco mais precoce em suas decisões, ele está mais autoconfiante, apesar de ele não saber sobre absolutamente tudo. Ele meio que se culpa por tudo o que aconteceu em Guerra Infinita, já que ele queria o melhor para o mundo, é um Thanos mais maduro, é um Thanos mais filosófico. E queríamos o senhor da guerra em Ultimato, que ainda não havia se envolvido em tantos detalhes.”

Easter egg de Hulk em Guerras Secretas

Quando o QG dos Vingadores é atacado por Thanos Cinemaster Hulk segura os entulhos para que Rocket, Homem-Formiga e Rhodey possam sair dali. Joe Russo confirma que esse momento foi “100% inspirado em Guerras Secretas.”

Sobre Thor continuar “Thor Lebowski” no final de Ultimato

Anthony: “O fim da jornada de Thor não é simplesmente um retorno a quem ele era antes de ficar deprimido. O fim da jornada de Thor é a chegada a um novo estado de espírito de compreensão de si mesmo e do seu mundo. Ele é outro personagem que segue em frente. A ideia de simplesmente mudá-lo de volta não era possível, isso não reforçaria a ideia de que Thor não era mais o Thor de cinco anos atrás.”

Kevin Feige já sabia há anos sobre “Steve Digno”

Joe Russo: “Tenho certeza que provavelmente estava na mente de Kevin muito antes de Ultron, e é por isso que possivelmente ele pediu a Joss Whedon para incluir algo assim. Em algum momento ele queria ver Steve Rogers com o Mjolnir. Mas é uma daquelas coisas que você só pode colocar em um filme depois de 10 anos de história. Era necessário saber tudo o que o Capitão passou, e ver quem ele é como personagem e todas as escolhas que ele fez, ele é digno, completamente digno. Mesmo que ele tenha cometido erros, o que eu acredito que seja fascinante – mesmo em Guerra Civil, quando ele admite a Tony que ele reteve a verdade dele, isso não altera o fato de que ele é digno.”

Só lembrando Cinemaster que essa “retensão da verdade” foi no tocante ao fato de que Steve sabia que Bucky havia matado os pais de Stark.

A trilha de Alan Silvestri era o trunfo da Batalha Final

Anthony: “Você tem a trilha de Alan Silvestri para a sequência inteira. A sequência não chega ao ápice até que a trilha entra em cena. Uma ideia inicial era fazer com que todos eles aparecessem no QG dos Vingadores e em seguida Thanos explodiria tudo. Mas a maneira como decidimos fazer no final era de que o clímax ainda não estava pronto. Se você resolvesse isso, então seria apenas mais um conflito.”

“Mas como você não completou a tarefa principal – como todo mundo ainda não voltou – ainda parece que há muito por vir. Fomos muito de tentativa e erro. Mas nós sabíamos que o mais emocionante no começo seria T’Challa aparecendo com o exército de Waknda. Você está no momento onde percebe que Thanos trouxe todos os seus aliados para o combate, e então Wakanda entra em cena. Esse momento foi incrível. Peter Parker seria outro retorno emocionante. Então, nós construímos essa cena de maneira que camada por camada ela ia ficando ainda maior.”

Kevin Feige apoiou a morte de Tony Stark

Markus: “A MArvel como um tudo disse, ‘Realmente, este parece ser o momento certo para Tony morrer, mas se você tiver uma boa razão para fazê-lo sinta-se à vontade – faremos o que for necessário’. Mas realmente pareceu, particularmente, com o que Tony experimentou após a pausa de cinco anos. Ele se casou, teve um filho e está vivendo uma vida muito saudável e pacífica pela primeira vez, e ele teve cinco anos completos de surpresas – e não havia mais para onde ele precisasse ir. Este era um cara que tinha feito sua jornada por completo, até o fim, tinha experimentado uma completa reabilitação de seu personagem, de um idiota egocêntrico no começo do primeiro Homem de Ferro, para que ele fizesse o sacrífico que Steve Rogers teria feito, se tivesse a oportunidade de fazer naquele momento, simplesmente nos pareceu um final muito bom.”

E que final, Cinemaster. Genial!

A lógica por trás de um estalar de dedos matar Stark

Joe: “Sabíamos que uma Manopla tinha que desfazer o que foi feito por outra Manopla. Todas essas questões se tornaram lógicas. Quem tem o máximo de conhecimento para criar algo que possa segurar as Joias? Seria preciso um gênio como Tony Stark para descobrir isso. Ele usa nanotecnologia porque a Manopla tinha que ser um tamanho único, porque o Hulk usou, Thanos usou e Tony iria usar. Isso tudo faz parte do plano triste de Doutor Estranho, manter Tony vivo no final de Guerra Infinita, para que ele pudesse morrer depois para salvar a todos. Nós sentimos que havia uma quantidade incrível de tragédia nisso.”

Robert Downey Jr. preferiu ficar calado no final

Joe Russo: “Robert Downey Jr. nos disse, ‘Eu não vou dizer nada. Não quero falar porque não me parece certo. E eu não acho que naquele momento ele teria capacidade para falar algo sensato. Eu vou ficar quieto e vou deixar que os outros personagens interajam com ele, mas eu mal vou interagir porque isso parece uma escolha verdadeira para mim.’ Com um personagem sentindo tanta dor, à beira da morte, foi importante para nós criarmos a sensação de que, quando você olhava para Tony Stark naquele momento, você sabia que ele estava morrendo, e você teve que processar isso naquele momento.”

O “Um” do Doutor Estranho

McFeely: “Cumberbatch faz uma pausa dramática. E agora você entende como tudo precisa acontecer. Quando ele faz o ‘Um’ você entende como ‘Você tem que morrer – não há outro jeito, Tony.'”

Era preciso deixar Steve Rogers vivo

Joe Russo: “Uma vez que você mata um personagem amado como Tony, você tem que manter a esperança no final do filme de alguma forma, e a única pessoa a lhe dar essa esperança é o outro protagonista. Se tivéssemos matado os dois personagens, sinto que as pessoas teriam entrado em uma descida brusca. A intenção não é destruir as pessoas, é contar uma história complexa e dimensionalizada de uma forma que as faça sentir um leque variado de emoções.”

O trauma dos cinco anos ainda existe

Markus: “A Viúva Negra se sacrifica. Tony se sacrifica. Steve, que começa sua jornada se sacrificando, não faz o mesmo. É uma boa reversão. Tudo não está consertado no final, está desfeito, mas os cinco anos ainda estão lá. O trauma ainda existe.”

Quem morreu não vai passar por reboot

Markus: “É a natureza do MCU. Não é um lugar onde você pode reiniciar um e de repente o Homem de Ferro tem 15 anos e todo mundo ainda tem a mesma idade. Os personagens têm que seguir, e o universo ainda tem que ficar de pé. Então, se você vai tirar as pessoas do jogo, isso precisa ser feito de forma verdadeira.”

Show de bola, Cinemaster. Um olhar ainda mais aprofundado sobre os detalhes de Vingadores – Ultimato, sensacional!

VINGADORES – ULTIMATO: Todos os Recordes de Bilheteria

VINGADORES – ULTIMATO [REVIEW]: Um filme único na história do cinema

Estrelado por Robert Downey Jr., Chris Hemsworth, Mark Ruffalo, Chris Evans, Scarlett Johansson, Benedict Cumberbatch, Don Cheadle, Tom Holland, Chadwick Boseman, Paul Bettany, Elizabeth Olsen, Anthony Mackie, Sebastian Stan, Peter Dinklage, Danai Gurira, Letitia Wright, Dave Bautista, Zoe Saldana, Josh Brolin e Chris Pratt, com produção de Kevin Feige e direção de Joe e Anthony Russo, e roteiro escrito por Christopher Markus e Stephen McFeely, Vingadores – Ultimato já está em exibição nos cinemas brasileiros.